Publicado em 24.11.2016

Radicais Livres - inimigos, quando em excesso

O que são radicais livres 

Radicais livres são moléculas  com um elétron de carga negativa que podem se unir rapidamente com outras moléculas de carga positiva do organismo para reagir ou oxidar. São produzidos pelas células, durante o processo de queima do oxigênio na transformação dos nutrientes em energia.  Cabe salientar que isso ocorre de maneira obrigatória, pois fazem parte do nosso metabolismo. Ou seja, não tem como fugir deles. Quando em níveis adequados são naturalmente destruídos pelo organismo. Porém, em excesso podem causar envelhecimento, mutação do DNA, doenças, enfraquecimento do sistema imunológico, etc.

 

O que é extresse oxidativo? 

Quando a produção de radicais livres é maior do que a capacidade do organismo de eliminá-los, ocorre o que se chama de estresse oxidativo. É justamente esse fenômeno que dá origem aos males que eles podem causar à nossa saúde. Infelizmente, a idade mais avançada vai deixando o nosso corpo menos apto a fazer o processo de eliminação dos radicais livres e mais suscetível aos efeitos dessa oxidação.

O que pode gerar o excesso? 

Cigarro, poluição ambiental, álcool, conservantes e aditivos dos produtos industrializados, rotinas estressantes, alimentos muito gordurosos, exercícios físicos em excesso, etc.Nesse caso, doenças como enfisemas, AVCs, problemas reumáticos, Parkinson, Alzheimer, rugas, manchas na pele, catarata, etc, podem ter como causa o excesso de radicais livres. 


Por que causam o envelhecimento?

Os radicais livres são tóxicos e causam danos, desestabilização e até a morte de células saudáveis do nosso organismo. Nesse processo de agressão, ocorre a alteração das membranas celulares, mutação do DNA e o consequente envelhecimento das mesmas. Quando isso ocorre em menor quantidade não há problemas, pois o nosso sistema imunológico está preparado para eliminá-las. Todavia, em grande quantidade, devido ao excesso de radicais livres no corpo, parte das células alteradas sobrevivem, multiplicam-se e passam a funcionar de modo errado, prejudicando a nossa fisiologia e causando o envelhecimento de tecidos, órgãos, etc.         

O que fazem de bom? 

Os radicais livres tem também o seu lado “mocinho”. Aliás,  precisamos deles para sobreviver. Protegem o nosso corpo contra infecções, fortalecem o sistema imunológico, ajudam nos processos de cicatrização, coagulação sanguínea, etc. O problema, cabe ressaltar, está apenas no excesso deles em nosso organismo.

 

Como  diminuir seus efeitos maléficos? 

1) Uma vez que fazem parte do nosso metabolismo e não tem como evitar a produção deles, tampouco os seus efeitos,  esteja atento aos fatores que podem gerar o excesso de produção dos radicais livres no organismo;

2)  Os antioxidantes tem, justamente, a função de neutralizar os radicais livres. Como são moléculas de carga positiva, unem-se a eles (que possuem carga negativa), impedindo que oxidem outras moléculas e os consequentes malefícios advindo disso.  Por isso, o nome.

Nesse processo de defesa, são os antioxidantes que se oxidam. Ou seja, é necessário sempre a reposição com nutrientes antioxidantes  para que o nosso organismo seja beneficiado. E, de acordo com o avanço da idade cronológica, esse cuidado deve ser maior;

3) Faça a suplementação nutricional com vitaminas, minerais, aminoácidos, chás, etc;

4) Faça atividades físicas de baixa intensidade e de maneira moderada;

5) Nas refeições, inclua alimentos ricos em antioxidantes (frutas cítricas, vegetais verdes escuros, couve, brócolis, tomate, acerola,  batata doce, castanhas, uva, chá verde, cereais, integrais, etc).